top of page

cine-debate sobre família e autismo

No domingo, dia 29 de outubro, o Chaverim organizou, com o apoio da Hebraica, um cine-debate centrado no tema família e autismo. Foram convidados para o evento colaboradores do Chaverim, madrichim (monitores), voluntários, familiares dos participantes, sócios do clube A Hebraica de São Paulo e amigos. O filme escolhido foi “Lá vamos nós”, um filme israelense de 2020 que conta a história de Uri, um menino dentro do espectro autista, e sua jornada em busca de independência.


(Foto dos participantes do cine-debate, em pé, na frente do telão)


Para mediar a conversa, convidamos duas especialistas no tema, Daniela Karmeli, psicóloga pós-graduada em administração do terceiro setor e consultora de desenvolvimento humano, que trabalha há 24 anos em organizações sociais, principalmente na área da deficiência; e a Profa. Dra. Rosane Lowenthal, que foi gerente da Unidade de Referência em Autismo - Dr Marcos T Mercadante - CAISM Vila Mariana e hoje é vice-diretora do curso de medicina da Faculdade Santa Casa de São Paulo. Para Daniela:

“Foi um prazer para mim ser convidada pelo grupo Chaverim a participar desse cine-debate, é uma temática que eu considero sempre muito importante, falar de vida adulta e moradia para pessoas com deficiência, principalmente para pessoas com deficiência intelectual e autismo, acho extremamente importante. E a gente ainda tem poucos espaços de diálogo sobre isso e eu entendo que para as famílias é extremamente relevante essa temática frente ao processo de envelhecimento populacional.”

(Foto de Daniela Karmeli, Debora Deutsch, Rosane Lowenthal e Camila Grynszpan)


O filme Lá Vamos Nós conta a história de Aharon, que dedicou sua vida a criar seu filho Uri. Eles vivem juntos em uma rotina tranquila, longe do mundo real. Uri é autista e agora, como um jovem adulto, pode ser hora de ele morar em uma casa especializada e conquistar um pouco de independência. No caminho para a instituição, Aharon decide fugir com seu filho e cair na estrada, acreditando que Uri não está pronto para essa separação. No entanto, o filme levanta a questão da codependência entre pai e filho e pode ser que, na verdade, quem não está pronto para a separação é Aharon.


(Foto dos convidados assistindo ao cine-debate)


A escolha do filme foi realizada pela coordenadora técnica do Grupo Chaverim, Camila Grynszpan, juntamente com a voluntária do conselho e mãe do participante Eduardo, Clara Rappaport. Quando questionada sobre a escolha, Camila explicou que:

“O filme Lá Vamos Nós foi escolhido por retratar com bastante delicadeza e sensibilidade a história da relação de um pai com seu filho que está dentro do espectro autista. Lidar com a separação, dar autonomia a esse filho que cresceu e que se encontra na idade adulta, reconhecer suas necessidades e a importância do papel da instituição como parceira são alguns dos desafios enfrentados e que são comuns a muitas famílias reais. Trazer para o debate temas como esse faz com que possamos compartilhar, compreender, acolher, apoiar, incluir e aprender cada vez mais como promover o desenvolvimento e o protagonismo das pessoa com deficiência.”

Após assistirmos ao filme, formamos uma roda com as cadeiras e desdobramos uma conversa que abordou diversos assuntos como família, autismo, pessoas com deficiência, envolvimento e inclusão social, capacitação da sociedade, capacitação das pessoas com deficiência, independência, educação, etc.


(Foto dos convidados e das mediadoras sentados em roda debatendo o tema família e autismo)


“Foi muito interessante ver a mudança de perspectiva e até mesmo da realidade de pessoas com deficiência e seus familiares ao longo dos anos. Estamos definitivamente no trajeto da inclusão, mas ainda temos muito a percorrer.”

Comentou Muriel Klar, especialista em comunicação do Grupo Chaverim, após assistir ao filme e ouvir a tudo que foi dito na roda de debate.

(Foto dos convidados e das mediadoras sentados em roda debatendo o tema família e autismo)


“O Chaverim tem muitas famílias idosas, com filhos já mais velhos também, acho que essa temática é bem presente em vários momentos de vida das famílias, inclusive na própria vida da pessoa com deficiência intelectual. Eu acho que um grande desafio nosso também enquanto profissional da área é sempre, como foi falado ali, como é que a gente passa a ter uma escuta também para a pessoa com deficiência e com TEA frente aos seus desejos e expectativas futuros de vida adulta. E quando a gente fala de vida adulta, é importante a gente pensar que a vida adulta começa a partir dos 18, 20 anos e que a gente não precisa, a família não precisa estar envelhecida para se refletir a este respeito. É um processo de construção, é gradativo, é como foi com os demais irmãos, ou mesmo se a família não tem outros filhos, eu acho que é sempre uma construção de processos. E ao mesmo tempo, cada família é única, ela precisa ser escutada e tem que fazer sentido a ela também. Eu acho que a gente tá aqui realmente para fomentar uma discussão. Acho muito importante a gente nunca perder de vista que cada pessoa com deficiência é única e que cada família é única, então isso também faz parte de uma construção de processo sempre.”

Conclui Daniela enquanto relembrava do evento ao conversar conosco.


46 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page